Política

A conta chegou e candidatos a governadores e a deputados são cobrados pelo golpe que deram em Dilma Roussef em 2016

" A História não perdoa a prática da traição".

Os pré-candidatos que tem mandatos de deputados federal, aqueles que votaram a favor do impeachment de Dilma Roussef, estão sofrendo todo tipo de assédio nesta pré-eleição. Isso diz muito sobre o que virá pela frente quando a campanha começar.

A conta chegou, a esquerda está fortalecida no País, e agora, o povo cobra  dos deputados a manobra que foi feita para derrubar Dilma Roussef em 2016. Em todos os estados tem acontecido momentos tensos em reuniões, assembleias e outros eventos. Cobrança está viva na cabeça do povo.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT), incluisve,  rebateu as declarações feitas pelo também ex-presidente Michel Temer (MDB) sobre o impeachment sofrido pela petista. Em entrevista, Temer afirmou que não houve golpe e que Dilma foi retirada do cargo por “problemas políticos”, como a dificuldade de diálogo com a sociedade e com o Congresso. O emedebista também frisou que a considera “honestíssima”. Diante da repercussão das declarações de Temer, a ex-presidente postou uma carta aberta em resposta ao seu antigo vice na qual diz que “a História não perdoa a prática da traição”.

Danilo Cabral, pré-candidato ao governo de Pernambuco, recebeu uma saraivada de vaias ao usar o microfone em ato com Lula. O fato aconteceu  neste mês,  na última visita de Lula ao estado pernambucano. No evento estava tudo bem e alegre até Danilo pegar no microfone. A multidão o chamou de traidor, isso porquê, Danilo é deputado federal, e foi um dos responsáveis pela saída de Dilma ao votar pela aprovação do impeachment. Outros candidatos também receberam vaias, a exemplo de : Fernando Filho, andré de Paula,Sebastião oliveira, Daniel Coelho e outros mais.

Assim como Danilo Cabral, outros candidatos, estão sofrendo e vendo que o povo não esqueceu aqueles que trairam a presidente em 2016.

Assim como deputados foram vaiados em 2016 por terem votado desfavoraveis  ao impeachment, a conta chegou em 2022 para aqueles derrubaram a presidente. Vale salientar que a esquerda está fortalecida no País, e agora, o povo cobra a conta aos deputados que fizeram a manobra para derrubar Dilma Roussef em 2016.

Por Cauby Fernandes

Tags

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar