Notícias

A fome de ter o controle de partidos políticos de Fernando Bezerra Coelho

Partido político é sem dúvida algo positivo. Ele funciona como um controlador, e com esse controlador,  só entra no jogo legislativo quem tem representatividade eleitoral, voto. Os partidos políticos, são os responsáveis por encontrar o candidato certo, aquele vai dar retorno.

Por mais que os princípios  partidários  andem  obscuros,  o partido político é um mal necessário e é  incentivado  para buscar  candidatos que façam a roda da política girar. O problema é como controlar a fome dos partidos que adoram  poder. E se, o partido politico se tornar mais faminto por poder, ele certamente,  vai legislar em causa própria para se perpetuar.

O mais preocupante nesse jogo, é quando  um político tem o tal do controle do  partido na mão. Isso representa poder. E se esse político, resolve ter mais que um partido e, consegue o feito,  esse fulano pode se tornar imbatível em épocas eleitorais.
No cenário atual do Brasil, alguns políticos já estão fazendo o dever de casa, quando o assunto é ter o controle das siglas partidárias. Em Pernambuco, Fernando Bezerra, que será candidato a governador ou o filho Fernandinho, saindo do PSB, pode se tornar a mão que balança o berço do PMDB e do DEM no estado Pernambucano.  Os partidos PRTB  e PV já são controlados por ele.  O PR, PSC,  PSDC, PSDB, PRP, PENSD e REDE  são coligados do político e seu grupo. A fome por dominar siglas partidárias que FBC tem, é conhecida de longe, e ele sabe dar meticulosamente cada passo para que no final, tempos em Rádio e Televisão, sejam pontos cruciais para que ele e seus comandados, se elejam ou se reelejam.

Dinheiro tem, carisma tem, o que falta é mais poder! Poder de mandar, poder de arrebanhar mais admiradores e pessoas que sigam suas ideologias. E isso só acontece com braço forte, com o poder  de influenciar altos comandantes da política nacional,  tendo partidos políticos na mão e  fazendo Lobby de uma boa imagem.

Voltando ao início, podemos dizer que por mais que os princípios  partidários  andem  obscuros,  o partido político é um mal necessário.  O problema é como controlar a fome de certos políticos que adoram  poder. E se, o politico se tornar mais faminto por poder, ele certamente,  vai legislar em causa própria para se perpetuar.

Por Cauby Fernandes

@língua 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar