Notícias

Adoção: Shopping de Petrolina recebe Vara da Infância e Juventude

Resultado de imagem para Adoção

Marcos Bacelar, juiz  da Vara da Infância e Juventude em Petrolina, juntamente com os servidores , distribuirão, nesta quinta-feira (25), folhetos dentro do Shopping de Petrolina.  A intenção da Vara da Infância, é prestar informações sobre adoção e apadrinhamento de crianças e adolescentes no município. A ação acontece  das 10h às 22h – durante o  funcionamento do shopping ao público. A mobilização ocorre simultaneamente em outras cidades do país, em função do Dia Nacional da Adoção, comemorado no 25 de maio. Em todo o Brasil, existem cerca de 6 a 7 mil crianças e adolescentes esperando uma família.

O número de pretendentes habilitados em Petrolina e , que estão prontos para adotar uma criança, chega a 51 pessoas. Esses nomes estão no cadastro nacional de adoção. Atualmente, existem 44 crianças e adolescentes abrigados em centro de acolhimento na cidade, porém, nenhum deles pode ser  adotado, pelos menos por enquanto. Eles  podem ser apadrinhados.

“Com a adoção as crianças passam a ter garantido o direito de convivência familiar, além de passarem a usufruir de necessidades primordiais como o afeto na condição de filho”, explica a psicóloga  da Vara da Infância e Juventude, Andrea de Gois.

Em 1996, representantes dos catorze Grupos de Apoio à Adoção então existentes no Brasil se reuniram em Rio Claro, interior de São Paulo, no I Encontro Nacional de Associações e Grupos de Apoio à Adoção, nos dias 24 e 25 de maio.

Na ocasião, os grupos elegeram o dia 25 de maio como o Dia Nacional da Adoção. Seis anos depois, em 9 de maio de 2002, a lei foi sancionada sob o nº 10.447.

Nasceu assim, oficialmente, o DIA NACIONAL DA ADOÇÃO. Desde então, a data é comemorada em todo o país pelos militantes da causa, para celebrar e refletir sobre a adoção de crianças. Dados do Cadastro Nacional de Adoção – CNA revelam que existem atualmente mais de 6 mil crianças e adolescentes aptos à espera de usufruir do direito assegurado pelo ECA e pela Constituição Federal à convivência familiar e comunitária, no seio de uma família.

@lingua

*Com informações da Vara da Infância

.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja Também

Fechar
Fechar