ArteNotícias

Artistas/estudantes expõem em mostra do Sesc; veja fotos

Salão Universitário de Arte Contemporânea do Sesc - UNICO abriu nesta sexta (22), em Petrolina

É meio como juntar a “fome com a vontade comer” pensar em artistas que ainda estão dentro das academias e que, por meio delas, podem exibir produções, esboçar ideias e falar através de suas obras. Esses são os propósitos do projeto Salão Universitário de Arte Contemporânea do Sesc – UNICO que, este ano, celebra uma década na Galeria de Artes Ana das Carrancas, em Petrolina, Sertão do Estado.

Por lá, de hoje até 18 de maio, a temática “Fabulações para um mundo em catástrofe” será contada em dez projetos – de artistas/estudantes de Recife e de Petrolina – que ficarão à mostra para o público, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, e aos sábados, das 16h às 20h, com acesso gratuito. “Abordamos temas que estejam voltados para tendências atuais, estética e conceitualmente, porque o que dialoga com o projeto é o agora”, contou a coordenadora do Salão, Valkíria Dias.

Os universos explorados pelos artistas são variados: do olhar que vem da periferia, passando por questionamentos ambientais até a realidade da violência sofrida por pessoas transgênero, compõem a narrativa do projeto, que foca na exploração do processo criativo de cada um dos artistas.

“Os trabalhos passam por uma comissão que analisa, entre outras coisas, a expressão conceitual e a fundamentação de cada obra. O que se espera é que os artistas estejam antenados social e politicamente, como pessoas ativas dentro da sociedade”, complementa a coordenadora.

Para a 10ª edição 73 trabalhos de artistas/estudantes foram inscritos no projeto, que tem a curadoria de Marcelo Coutinho, um dos convidados da noite de abertura, aberta ao público, ao lado de Ana Luíza Lima, curadora da primeira edição do evento que transita todos os anos, em cidades pernambucanas.

Integram o projeto este ano os trabalhos “Convite à Alforria”, de Abiniel João do Nascimento; “Vomita que Passa”, de Ana Flávia Mendonça; “Além da Necessidade”, de Fredson Adjair; “Propriedade Privada”, de João Pedro Rodrigues; “Mônada”, de Letícia Barros; “Urtiga”, do Coletivo Encruzilhada; “Orgão Político”, de Thaik Santos; “Baronesa”, do Coletivo Baronesa; “No princípio era o Verbo… e o Verbo se fez carne, e do nosso Verbo? E da nossa carne?”, de Ziel Mendes e “TransVive”, de Thiago Britto.

“TransVive”
Foi inspirado na fotógrafa iraniana Shirin Neshat que o estudante Thiago Britto, repórter fotográfico da Folha de Pernambuco, começou o “TrasnVive” – inicialmente pensado para um trabalho acadêmico e hoje entre os selecionados para a 10ª edição do Salão. Por meio de doze fotografias em preto e branco, o artista traz à tona narrativas de repressão sofrida por seus personagens que, na mostra, representam uma população que convive com um mundo real de preconceito e violência.

A arte que dá voz
“Sou um interlocutor da realidade dessas pessoas. Porque é o papel do artista dar conhecimento sobre processos dolorosos de transição, aceitação e de como a sociedade recebe homens e mulheres trans. Por isso a importância de projetos como o Salão, que me empolgou desde o lançamento do edital, quando soube do tema desta edição (‘Fabulações para um mundo em catástrofe’), que deveria girar em torno dos trabalhos que seriam apresentados. Pensei: tenho que participar”.

A arte que incomoda
“Não faz sentido o fazer por fazer. É preciso contexto, mensagem, com o intuito de cutucar a sociedade. É assim que trabalho a minha arte, levando questionamentos que precisam ser expostos para provocar, como as palavras e frases colocadas nos corpos das pessoas das fotografias, escolhidas por elas próprias porque foram vividas, sentidas por elas”.

A arte que sai da academia
“O trabalho estava pronto, já apresentado na universidade. Mas após ter sido selecionado para o Salão, passou por reestruturação, orientações e suportes para uma outra realidade (a de exposição) em um evento do Sesc, que circula e dá acesso a todos os públicos. E projetos como o do Salão Universitário são bacanas, também, porque levam à discussão assuntos pertinentes aos dias atuais

Serviço:
Salão Universitário de Arte Contemporânea Sesc
Abertura nesta sexta (22), 19h
Sesc de Petrolina – Galeria Ana das Carrancas (rua Dr. Pacífico da Luz, 618)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar