Notícias

Chapa 2 quer a anulação da urna 47 em Petrolina e envia nota de esclarecimento

Resultado de imagem para urna de lona 47

A justiça do trabalho, cumprindo seu papel,  fez a recontagem dos votos nesta segunda, 18, da urna 47 que tinha sido impugnada durante a apuração das eleições do Sindicato dos Assalariados Rurais de Petrolina-STTAR, por conter irregularidades.

Na primeira contagem de votos, Simone Paim saiu como vencedora no pleito, por que a urna em questão apresentou diversos sinais  de irregularidades que levaram a mesa votar pela impgnação dos votos ali contidos. Não satisfeita com o resultado, a chapa 1 entrou com ação judicial que deu o direito a recontagem dos votos. assim feito, o resultado mudoue por 7 votos a mais, a chapa 1 passou na frente da chapa 2, dando -lehe portanto a vitória na eleição.

Depois do resultado, os advogados da chapa 2,  entraram com recurso e  o processo eleitoral do STTAR deve continuar judicializado. A chapa 2 enviou nota ao blog esclarecendo os fatos. Confira:

                                                        NOTA DE ESCLARECIMENTO

 A Chapa 2 que concorreu à Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Assalariados Rurais de Petrolina, vem por meio desta prestar esclarecimento acerca da apuração da urna 47, referente à votação para a escolha da diretoria do quadriênio 2017-2021.

Por meio de cumprimento de ordem judicial, a referida urna foi aberta e teve seus votos contados, sendo que por meio deste ato, a Chapa 1 foi declarada a vencedora do pleito eleitoral.

Ocorre que com a abertura da urna 47, foram vislumbrados e comprovados os vícios existentes na mesma: número de contagem de votos diferente do número real de cédulas, votos em separados fora do envelope, votos que deveriam ter sido efetuados na sede e não na referida urna, cédulas sem a assinatura do presidente, ata de encerramento com rasuras, dentre outras irregularidades.

É evidente que estas irregularidades devem ser reconhecidas pelo Poder Judiciário que deverá anular a urna 47, de forma que o mesmo prazo pela lisura do devido processo legal, pela segurança jurídica e pelo respeito aos trabalhadores que votaram na forma que preceitua o regimento do Sindicato.

Por acreditar na justiça e nos princípios que norteiam o Estado Democrático de Direito que a Chapa 2 defenderá a impugnação da referida urna 47.

 

Ruy Wanderley

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar