EconomiaNotícias

Ciclo vicioso: famílias entram e saem de crises

Em 2015 e 2016, País afundou na pior recessão da sua história. Em 2017, começou a se recuperar. Mas, em 2018, voltou a enfrentar dificuldades

A economia nacional caiu em um “looping” nos últimos anos, entrando e saindo da crise sucessivamente. Afinal, em 2015 e 2016, afundou na pior recessão da sua história. Em 2017, começou a se recuperar. Mas, em 2018, quando achava que ia consolidar a retomada, voltou a enfrentar dificuldades. E isso afetou diretamente o orçamento das famílias brasileiras, tanto que 15 milhões de lares voltaram à crise neste ano.

A conclusão é do instituto de pesquisa Nielsen, que analisou o orçamento das famílias e constatou que, enquanto 12 milhões de lares venceram as dificuldades financeiras nos últimos doze meses, outros 15 milhões entraram no vermelho. E, como mais 12 milhões de famílias permaneceram com os problemas financeiros de 2017 em 2018, o total de domicílios impactados pela recessão no País subiu para 27 milhões – número que supera em 2 milhões o do ano anterior. “As famílias estão vivenciando essa insegurança em looping nos últimos três anos, enfrentando desempregoinadimplência e dificuldades orçamentárias”, afirma o instituto.

Rafael Ramos, economista da Fecomercio

“Ainda não existe um movimento de recuperação robusto. E isso faz com que a economia oscile entre momentos positivos e de desaceleração”, explica o economista da Federação do Comércio de Pernambuco (Fecomércio-PE), Rafael Ramos.

 

Resultado de imagem para economista do Santander, Rodolfo MargatoEm 2018, por exemplo, as projeções eram altas por conta dos resultados positivos de 2017, mas acabaram não se confirmando ao longo do ano. “As expectativas foram frustradas por conta da greve dos caminhoneiros, de fatores internacionais e incertezas eleitorais”, afirma o economista do Santander, Rodolfo Margato, lembrando que, no início do ano, o mercado previa alta de 2,5% ou até 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, mas rebaixou sucessivamente a projeção, à medida que os fatos desaceleravam a atividade, tanto que, hoje, só espera crescimento de 1,3% do PIB.

E a população foi diretamente afetada por esse movimento. Afinal, a incerteza econômica faz os empresários segurarem os investimentos, o que retarda a geração de empregos. “Nas famílias, a oscilação se deve ao mercado de trabalho, já que a inflação e os juros seguem em níveis baixos, mas o desemprego segue alto”, afirmou Ramos. Ele lembrou que 12,2 milhões de pessoas estão desempregadas no País, sendo 703 mil em Pernambuco, e que a maior parte dos postos de trabalho criados em 2018 pertencem ao setor informal, que também não dá segurança ao trabalhador.

“A população precisa estar empregada e em empregos formais para retomar a confiança”, pontuou Ramos, dizendo que, até lá, essa situação de piora na renda vai criar problemas tanto para as famílias, que acabam caindo na inadimplência, quanto para a economia, já que os brasileiros evitam consumir, contribuindo com a desaceleração dos setores produtivos. E esse movimento já começou. Segundo a Nielsen, 67% dos 15 milhões de lares que voltaram à crise neste ano estão devendo no cartão de crédito e 12% recorreram ao crédito consignado. Outros 22% reduziram os gastos para não aprofundar o rombo orçamentário.

“Essa situação de entra e sai da crise é muito difícil. O brasileiro tem que se planejar mais, fazer mais contas para conseguir adaptar seu orçamento. E, como está em looping, não retoma os padrões de consumo anteriores, pois não sabe se sua situação atual vai melhorar ou piorar”, afirma o diretor do painel de lares da Nielsen Brasil, Ricardo Alvarenga, dizendo que o movimento está criando um novo tipo de consumidor no País: um cliente mais consciente que busca promoções, aceita marcas novas que ofereçam qualidade por preços mais baixos e se preocupa em pagar as contas antes de voltar a comprar.

A cautela é compreensível: segundo a Nielsen, só 14 milhões de lares ficaram isentos da recessão em 2018. Isto significa que metade da população brasileira está sujeita a esse ciclo vicioso de crise e espera, ansiosa, para saber qual será a direção que o looping da economia vai seguir em 2019.

Economia em looping

 

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar