Notícias

Com diploma ou sem ele, exercemos jornalismo

Por outro lado exigir DIPLOMA de Jornalista é como limitar a um escritor a somente escrever suas obras após estudo e a conquista de um diploma. Faculdade para ser escritor? Escrever para mim é uma arte, assim como informar, investigar, divulgar e opinar, como é o meu caso ao escrever minhas Crônicas semanais. Há milhões de jornalistas por todo o mundo, mas a profissão não se enquadra no perfil de todos... É perceptível. Isso jamais quer dizer que eu considere o curso de jornalismo desnecessário. Muito pelo contrário, quanto mais formação tiver o jornalista, melhor será seu desempenho. E esse é o meu caso...

Já me perguntaram se eu sou FORMADO em Jornalismo. Respondi: “Não, ainda não… Não me formei, ainda! Mas pode deixar que no dia da minha formatura você será convidado (risos…).” Porém, eu PRATICO a profissão de jornalismo todos os dias nos dois blogs da região e no rádio. A profissão de jornalista é uma arte, é também uma ATIVIDADE INTELECTUAL que não deve ser restrita a um diploma. E por incrível que pareça (para espanto meu, pasmem senhores…) este foi o entendimento do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL que derrubou no Brasil a necessidade de diploma para o exercício jornalístico ao julgar a inconstitucionalidade do Decreto-Lei nº 972/69. Lembram? Eu me lembro muito bem.

Afora pelo fato dessa obrigatoriedade do Diploma ter sido uma imposição da Ditadura Militar de 64, não se pode deixar de compreender que toda a atividade humana necessita de atualização e de controle social. Daí a necessidade de se instituir, por via legal, um órgão ou uma instituição com competência para fiscalizar e organizar o exercício de uma determinada profissão. É exatamente isso que eu estou fazendo hoje ao estudar no CURSO DE JORNALISMO E MULTIMEIOS da UNEB, estou aprendendo a trabalhar da forma certa! Aliás, estou mais é aprendendo aquilo que jamais devo fazer… Está sendo sim prazeroso.

Por outro lado exigir DIPLOMA de Jornalista é como limitar a um escritor a somente escrever suas obras após estudo e a conquista de um diploma. Faculdade para ser escritor? Escrever para mim é uma arte, assim como informar, investigar, divulgar e opinar, como é o meu caso ao escrever minhas Crônicas semanais. Há milhões de jornalistas por todo o mundo, mas a profissão não se enquadra no perfil de todos… É perceptível. Isso jamais quer dizer que eu considere o curso de jornalismo desnecessário. Muito pelo contrário, quanto mais formação tiver o jornalista, melhor será seu desempenho. E esse é o meu caso…

Dentre os mais famosos “jornalistas sem diploma” no Brasil, destacam-se alguns:

ASSIS CHATEAUBRIAND (jornalista proprietário dos Diários Associados);

SAMUEL WAINER (jornalista proprietário do jornal “Última Hora”);

CARLOS LACERDA (jornalista proprietário do jornal “Tribuna da Imprensa”);

COSTA REGO (primeiro catedrático de Jornalismo no Brasil);

CLÁUDIO ABRAMO (jornalista que não cursou Faculdade de Jornalismo, mas fez “Escola” que ironia né gente?);

ARNON DE MELLO (sim, o pai de FERNANDO COLLOR que era jornalista e proprietário da Gazeta de Alagoas);

NINO CARTA (jornalista fundador de Revistas);

BÓRIS CASOY (jornalista sem diploma e âncora de telejornal);

IRINEU MARINHO (dono fundador do Jornal o Globo lá do meu querido Rio de Janeiro, cidade que apesar de suas tragédias, tenho orgulho de ter nascido);

ROBERTO MARINHO (o filho do fundador);

HÉLIO COSTA (Ex. Ministro das Comunicações);

Miro Teixeira (Dep. Federal);

FRANKLIN MARTINS (ex-porta-voz doa Presidência da República);

RICARDO BOECHAT que era  o âncora do Jornal da Band, sua morte deixou uma lacuna imensurável

JOSEVAL PEIXOTO – é formado em Direito, mas é o meu maior influenciador tanto como radialista e jornalista. Ele trabalha na JOVEM PAN de São Paulo;

WILLIAM BONNER (âncora do JN) é formado em Publicidade na USP;

Isso sem falar das Belas apresentadoras do tele-jornalismo esportivo, que em minha opinião são apresentadoras pelo talento e não só por beleza;

e é claro, dos blogueiros daqui de Juazeiro cuja maioria não é formada em jornalismo. Apesar disto fazem um excelente trabalho. A lista é grande…

Para WILLIAM BONNER, o fato de não precisar mais de diploma não muda nada no mercado profissional. Apenas dá às empresas a liberdade de contratar legalmente colaboradores de outras áreas que já atuavam no jornalismo. O que já existia de fato, disse ele. O que também já sabíamos, pois “a Globo deixou claro, há muito tempo, que dá as costas para o diploma!” WILLIAM BONNER, por exemplo, não tem diploma de jornalismo. Ele é formado em PUBLICIDADE pela USP. Mas garantiu que o fim do diploma não significa que as Organizações Globo vão agora contratar engenheiros para fazer jornalismo. A preferência será reservada aos egressos do curso do Jornalismo. Para o apresentador do Jornal Nacional, as escolas de Jornalismo não servem para formar jornalistas. Deveriam se preocupar mais com o ensino de Português e História. Para o resto, a universidade serve apenas como EXPERIÊNCIA DE VIDA. “Jornalismo se aprende no mercado”, disse ele sem medo de errar. Os cursos de Jornalismo não servem nem para ensinar ética profissional e técnicas de redação, pontuou o âncora do JN.

Concluo dizendo aqui que SER JORNALISTA não precisa necessariamente de um diploma. Jornalista que é jornalista não se forma na faculdade. É muito mais talento que apenas informação. Ele de fato se OFICIALIZA na FACULDADE, como está sendo meu caso. Eu mesmo na época que entrei pro rádio, não pensava em cursar jornalismo mesmo quando já tinha diversos textos publicados em diversos Blogs (meus ou colaborando para Blogs de maior visibilidade de minha região). Hoje aos cinquenta anos de idade, com muito orgulho estudo com dedicação (quase que apaixonante) essa maravilhosa profissão. E isso não só com a finalidade de ser mais um “propagador de notícias”, porém formador de novos talentos para o futuro. Segue o fluxo gente amiga!

ERRY JUSTO

Radialista e Jornalista.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar