Notícias

Desmatamento às margens do Rio . A leitura de quem viu o erro da prefeitura de Petrolina

 

 

 

Já diz um velho ditado que: “Quem está de fora enxerga melhor o jogo”. Pensando dessa forma, é que podemos entender que uma terceira opinião, é sempre bem vinda.  É inconcebível a incompetência, a falta de  conhecimento,  comprometimento,  e sensibilidade ambiental,  das pessoas que cuidam do setor de Meio Ambiente da Prefeitura de Petrolina. No sábado (12.08),em travessia pelo rio,  fiquei surpreso ao chegar na outra margem,  onde  um trator fazia o desmatamento  a partir do circulo militar em direção a Orla 2 daquela cidade. O que me fez protestar contra aquela operação, é que no momento em  que se discute o vida do velho Chico, inclui-se no contexto,  o não desmatamento das suas margens como proteção às suas águas.

Solo descoberto produz, calor, poeira – a propósito, era o que tinha muito naquele momento, com as partículas de solo sendo levantadas pelo vento  gerando poluição do ar  –  e para o rio,  erosão provocada pela chuva  e posterior assoreamento. O que Petrolina já deveria ter feito para evitar tudo isso, seria a cobertura de toda aquela área que é visível a todos nós, com uma vegetação rasteira.

Uma leitura interessante deve ser feita por todos que usam as barcas como meio de transporte. Ao descer as escadas para pegar a barca no sentido contrário, tem um grande painel, com uma mensagem de S O S, onde o rio pede entre outras coisas para que ele possa sobreviver,  que “não desmatem as suas margens”. Nem assim eles respeitam.

Por que não fazer apenas uma roçagem? Onde estão os órgãos de fiscalização?

Como no início escrevemos…Já diz um velho ditado que: “Quem está de fora enxerga melhor o jogo”. Pensando dessa forma, é que podemos entender que uma terceira opinião, é sempre bem vinda. É hora de parar de olhar para o umbigo, e começar a enxergar que as pessoas estão acompanhando cada passo que a gestão pública está dando. Se forem passos sem firmeza, certamente falaremos, nos indignaremos, para que o certo seja feito.

Por Cauby Fernandes

@lingua

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar