Notícias

Em Pernambuco, casos de Hanseníase são motivo de atenção, alertam autoridades de saúde do estado

O estado de Pernambuco teve 2.410 novos casos da doença, sendo o segundo da região Nordeste no ano referido.

Como o foco da atenção para os sinais e sintomas da hanseníase está mais voltado para a presença de manchas pelo corpo com alteração de sensibilidade, um caso raro como o de Maurineia Vasconcelos demorou mais tempo para ser descoberto. A dona de casa de 38 anos, moradora do Recife, teve os sintomas neurológicos antes que aparecessem manchas avermelhadas, esbranquiçadas ou amarronzadas na pele, que normalmente caracterizam a doença. Quando finalmente foi diagnosticada, já estava com sequelas graves, que a acompanharão pelo resto da vida.

“Eu estou completamente curada. Faz quinze anos que eu não tenho ela (hanseníase). Entretanto fiquei com sequelas provocadas pela doença. Eu tenho uma mão em garra, um pé caído, fiquei com um problema de circulação séria e sempre tenho ulceração, que são as feridas debaixo dos pés. Quando foi sair a mancha, eu já estava com a incapacidade física, mas eu tento levar uma vida normal.”

Créditos: Ministério da Saúde

Por conta do estágio avançado da doença, Maurineia fez um tratamento mais longo que o normal para se curar da hanseníase. Após ser curada, passou a se pronunciar voluntariamente sobre a doença. A dona de casa faz questão de esclarecer às pessoas que não tem mais a enfermidade, apenas as sequelas. Lembra ainda que quem tiver dúvidas, deve procurar informações para que complicações como as dela sejam evitadas. A informação é uma importante aliada no combate à doença e ao preconceito, ainda mais em Pernambuco. Isso porque apenas em 2017, o estado teve 2.410 novos casos da doença, sendo o segundo da região Nordeste no ano referido. Para a coordenadora do Programa de Hanseníase de Pernambuco, Monique Lira, os números são preocupantes.

“Quando temos crianças doentes, pode significar que há transmissão ativa e recente da doença. Que, provavelmente, tem um adulto doente sem tratamento transmitindo a doença para aquela criança. Esses dados nos colocam num parâmetro muito alto de endemicidade em Pernambuco, né? Então, é essencial o apoio da família e dos amigos para uma boa adesão ao tratamento. É uma doença crônica que tem tratamento, como qualquer outra.”

A especialista pede para que as pessoas deixem o preconceito de lado e compreendam que a hanseníase tem cura. Vale lembrar que, se as pessoas não buscarem informação e ajuda o quanto antes, podem ficar com sequelas graves, além de correrem o risco de transmitir a doença a amigos e familiares. Por isso, caso descubra áreas com colorações diferentes na pele e perda ou diminuição da sensibilidade ao toque, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. O tratamento é oferecido gratuitamente no SUS. Então, não esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações, acesse saude.gov.br/hanseniase.

Créditos: Ministério da Saúde

 

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar