NotíciasPolítica

Evangélicos divididos por causa da eleição: ódio ou amor?

ideologias divergentes. Nos anos de chumbo, pastores entregaram fiéis para a tortura

Deus ou o diabo? Faraó ou Moisés? Céu ou inferno? Lentilhas ou benção? Gerizim ou Ebal? Esses temas sempre circularam no meio cristão, mas nada mais forte do que a pregação do amor do Cristo vivo.

No entanto, em épocas ditatoriais, os evangélicos sempre penderam pelo lado da violência. Documentos inéditos do projeto Brasil: Nunca Mais – até agora guardados no Exterior – chegam ao País e podem jogar luz sobre o comportamento dos evangélicos nos anos de chumbo.Naquela época, os próprios pastores entregavam seus membros, as suas ovelhas para os torturadores.

Enquanto líderes conservadores propagavam o discurso da Guerra Fria em torno do medo do comunismo nos templos e recrutavam formadores de opinião, jovens batistas, metodistas e presbiterianos, principalmente, com ideias liberais eram interrogados, presos, torturados e mortos.

Segundo Rubem Cesar Fernandes, 68 anos, antropólogo de origem presbiteriana, preso em 1962, antes do golpe, por participar de movimentos estudantis, os evangélicos carregam uma mancha em sua história por convidar a repressão a entrar na Igreja e perseguir os fiéis. “Os católicos não fizeram isso. Não é justificável usar o poder militar para prender irmãos”, diz ele, considerado “elemento perigoso” no templo que frequentava em Niterói (RJ). “Pastores fizeram uma lista com 40 nomes e entregaram aos militares. Um almirante que vivia na igreja achava que tinha o dever de me prender. Não me encontrou porque eu estava escondido e, depois, fui para o exílio”, conta o hoje diretor da ONG Viva Rio.

E agora, em 2018,um fato preocupante chama a atenção de uma ala evangélica que enxerga que uma nova ordem começa a se levantar, usando a família como escudo para trazer de volta os anos de chumbo.

 

Confira o vídeo:

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Fechar