Notícias

Gabinetes do ódio se espalham por diversas Câmaras de vereadores no Brasil, em Petrolina não é diferente

Não faltará tinta: liberdade de imprensa e a luta contra a corrupção e coronelismos

Virou moda! Depois que Bolsonaro trouxe a modinha de gabinete do ódio, muitos políticos resolveram fazer o mesmo seguindo o exemplo do presidente. Esses gabinetes sempre existiram, porém, nesses tempos tenebrosos, eles escancaram as portas.

Ao redor desse imenso País, os ataques contra jornalistas não fazem distinção de regime político, de ideologia ou de nível de PIB de um município. Os dados comprovam que, por mais que a liberdade de imprensa seja um direito amplamente reconhecido, ela é alvo de ataques constantes. Seja por meio de uma bala na cabeça, uma batida na porta de sua residência para uma “conversa”, um telefonema anônimo ou a suspensão de autorização para colocar uma matéria em ‘post” de blog.

Em Petrolina também existem gabinetes do ódio. Estamos vendo blogueiros e jornalistas sendo processados por simplesmente colocarem verdades no ar. É o caso do vereador e presidente da Câmara de Petrolina que segue perseguindo jornalistas e blogueiros com seu gabinete de ódio. Algo precisa ser feito.

A realidade pelo mundo, porém, está distante de uma garantia de vida para dezenas de profissionais. De acordo com dados da Transparência Internacional, 368 jornalistas foram mortos entre 2012 e 2018 no exercício de seus trabalhos. Desse total, 20% – 70 profissionais do setor de comunicações foram assassinados enquanto investigavam temas relacionados com a corrupção. Ou seja, um a cada cinco assassinatos de jornalistas tem uma relação direta com a corrupção, superando o número de profissionais mortos em coberturas de conflitos armados.

Tags

Artigos relacionados

1 pensou em “Gabinetes do ódio se espalham por diversas Câmaras de vereadores no Brasil, em Petrolina não é diferente”

  1. Ele agora tem advogados mantido pelo poder pago por nós contribuintes, então irá fazer a farra,mas ele não é culpado disso culpado é o povo que devolveu seu mandato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar