Notícias

O lado invisível da violência doméstica, segundo a ONU

Violência domésticaUm levantamento inédito divulgado nesta quinta-feira (23) pela ONU Mulheres mostra que a violência doméstica vai muito além de uma agressão física e tem impactos na maneira como as vítimas lidam com a própria vida.

Para chegar a essas conclusões, os autores do estudo  “Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher” ouviram 10 mil moradoras das capitais da região Nordeste com idade entre 15 e 49 anos. Dessas, 27%  já foram vítimas de violência doméstica em algum momento da vida.  Nos últimos 12 meses,  11% foram alvo de violência psicológica, enquanto 5% sofreram agressões físicas e 2% violência sexual.

Das mulheres que já foram vítimas de algum tipo de violência doméstica, 23%  admitiram que já recusaram ou desistiram de alguma oportunidade de emprego nos últimos 12 meses porque o parceiro se posicionou contra. Aproximadamente 17% das vítimas repassam parte ou totalidade dos seus rendimentos para os respectivos parceiros. Em tempo: controlar o dinheiro de uma mulher contra a sua vontade é considerado crime no Brasil.

“A violência doméstica, a despeito de ser um problema grave de negação de direitos humanos fundamentais e de saúde pública, produz impactos negativos na capacidade dessas vítimas atuarem de maneira produtiva e plena no mercado de trabalho”, diz o relatório.

A pesquisa também revela como a violência afeta o bem-estar da mulher. Quase metade delas, por exemplo, não consegue se concentrar  — entre aquelas que não foram vítimas de violência, a proporção é de 34% na mesma situação. Veja os dados:

Como a violência doméstica impacta a vida das mulheres nordestinas

As cidades de Salvador (BA), Natal (RN) e Fortaleza (CE)  concentram a maior proporção de mulheres que admitem serem vítimas recorrentes de violência doméstica ao longo da vida. Veja o ranking:

Prevalência de violência física ao longo da vida (%)

O que é considerado violência doméstica?

No Brasil, a principal norma de combate a violência contra a mulher, a Lei Maria da Penha, abrange uma série de abusos no rol de crimes que (muitas vezes) são esquecidos. Xingar, restringir a liberdade de crença e quebrar objetos da mulher, por exemplo, são algumas agressões previstas pela lei. Veja outros atos considerados como violência doméstica:

– Controlar a liberdade de crença;

– Humilhar, xingar e diminuir a autoestima;

– Controlar suas ações e decisões;

– Destruir parcialmente ou  totalmente seus objetos;

– Impedir a prevenção da gravidez;

– Reter o dinheiro da mulher contra a sua vontade.

Por Cauby Fernandes

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar