NotíciasPolítica

OAB-PE e Alepe emitem notas de repúdio à paródia machista

Uma paródia com ofensas a mulheres tocada em um carro de som e cantada por manifestantes durante a “Marcha da Família com Bolsonaro”, neste domingo (23), na avenida Boa Viagem, continua gerando reações negativas nas redes sociais e recebendo reprovação pública de entidades.

“Dou para CUT pão com mortadela e para as feministas, ração na tigela. As mina de direita são as top mais belas enquanto as de esquerda têm mais pelos que as cadelas”, diz a paródia.

Nesta segunda (24), a Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE) e a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) emitiram notas repudiando o episódio.

Confira as notas, na íntegra:

OAB:

“NOTA DE REPÚDIO

A Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Pernambuco, manifesta seu profundo repúdio a uma das músicas cantadas neste domingo durante a “Marcha da Família” do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, que aconteceu no bairro de Boa Viagem, na cidade do Recife.

A letra, entoada em coro, afirma que às feministas deve ser dada “ração na tigela” e que as mulheres “de esquerda têm mais pelo que cadela”.

Os estarrecedores trechos da música acima transcritos reduzem as mulheres à condição análoga de seres irracionais e incitam o ódio, a violência e o preconceito contra aquelas que se reconhecem feministas e/ou que têm orientação política diversa do aludido candidato.

Em tempos em que, a cada 2 segundos, uma mulher é vítima de violência física ou verbal no Brasil, segundo dados do “Relógios da Violência” do Instituto Maria da Penha, não se pode admitir que, sob o manto da liberdade de expressão, qualquer partido político, seja ele de direita ou de esquerda, ofenda publicamente uma coletividade de mulheres, reforçando a cultura machista e misógina que, infelizmente, ainda insiste em matar muitas mulheres todos os dias.

Ana Luiza Mousinho
Presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB/PE”.

Alepe:

“A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa de Pernambuco lançou, nesta segunda-feira, uma Nota de Repúdio à reprodução da música “Proibidão Bolsonaro” em ato público realizado no último domingo (23). Assinaram o documento a presidente do colegiado, Simone Santana, e os membros Aluísio Lessa, Edilson Silva e Teresa Leitão. Segue o conteúdo do voto:

NOTA DE REPÚDIO

A capital pernambucana ganhou destaque nacional neste domingo (23) após ter sido palco de manifestações de ódio contra as mulheres com posicionamento político de esquerda.

Durante o evento “Marcha da Família”, que reuniu centenas de pessoas na Avenida Boa Viagem, manifestantes entoaram música com conteúdo machista, linguajar chulo e violento – o que não contribui para o debate propositivo e acentua a polarização política que vivemos neste período eleitoral.

Diante da repercussão, e de suas consequências, a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Assembleia Legislativa de Pernambuco se sente na obrigação moral de formalizar seu repúdio à propagação da referida música, que compara mulheres a “cadelas”.

Este colegiado é suprapartidário, e foi criado com o intuito de defender os direitos das pernambucanas e de combater todos os tipos de violência contra as cidadãs, incluindo a agressão verbal, moral e psicológica. Sabemos que o ciclo da violência contra a mulher é impulsionado pela cultura machista, que se manifesta por meio de pensamentos e palavras de ódio capazes abalar as mulheres psicologicamente e induzir à violência física, muitas vezes culminando no feminicídio.

O Brasil, e Pernambuco não foge à regra, já conta com índices absurdos de violência contra as mulheres. Não precisamos de fatos novos com potencial para agravar este cenário já inadmissível.

Não há justificativa para tal comportamento. Não há lugar para manifestações políticas machistas e misóginas, seja de que partido ou candidato for. As mulheres não podem ser tratadas como uma piada e exigem respeito.

COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS DA MULHER
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO
24 DE SETEMBRO DE 2018″

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar