Notícias

Pelo Brasil? Nada disso! O jogo do interesse na Câmara

thumbsCom o esforço do governo federal em conseguir um placar folgado na votação da proposta de teto de gastos públicos, integrantes da base aliada na Câmara dos Deputados aproveitaram a ofensiva do Palácio do Planalto para negociar a indicação de cargos em empresas estatais.
Segundo um assessor presidencial, ao longo do dia, deputados federais que estavam fechados desde o domingo (9) pelo apoio à iniciativa pressionavam o Palácio do Planalto nesta segunda-feira (10) a atender seus pedidos aproveitando a votação considerada vital para o sucesso do governo Temer.
Os pedidos, de acordo com auxiliares presidenciais, já eram esperados. “Nada que seja surpreendente. Sempre há um deputado federal, inclusive favorável à austeridade fiscal, que aproveita para fazer negociações de seu interesse”, avaliou um aliado do peemedebista.
Para garantir que a proposta fosse aprovada, o presidente montou uma força-tarefa ministerial, que incluiu a criação de um gabinete inteligência para identificar traições na base aliada e a exoneração temporária de auxiliares diretos que detêm mandato de deputado federal.
Com o objetivo de conseguir um placar com folga, que passasse a imagem pública de força política, uma equipe presidencial foi escalada para telefonar para as bancadas federais e foram exonerados os ministros Bruno Araújo (Cidades), Fernando Coelho (Minas e Energia) e Max Beltrão (Turismo), que retornaram para a Câmara dos Deputados.
Em contato com líderes governistas, o peemedebista passou a segunda-feira (10) monitorando as tendências de voto na base aliada e atuou pessoalmente quando informado sobre ameaças de recuos. Segundo a reportagem apurou, o presidente atendeu pelos menos quatro deputados federais que se mostraram indecisos sobre a iniciativa.
Blog @lingua

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fechar