NotíciasSem categoria

Petrolina: acordos entre pastores e políticos para as eleições de 2020

Agora, em 2020, a eleição é caseira, dentro da cidade, e eles, os pastores, já começaram a ensaiar seus discursos para 2020. Na verdade eles são pseudos-pastores, que tem somente um intuito: seus próprios interesses. Os políticos, conhecedores desses potenciais senhores, já estão cooptando-os, e formando um verdadeiro exército.

Jeremias 23 1“Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas das minhas pastagens!” exclama Yahweh. 2Portanto, assim declara o Eterno, o Deus de Israel, contra os pastores que apascentam o meu povo: “Vós dispersastes as minhas ovelhas e as afugentastes, e não zelastes delas. Eu vos castigarei pelo mal que cometestes!”, afirma o SENHOR.

Muitas ovelhas ficaram dispersas em 2018. E tudo isso, por que a política entrou com muita força nas congregações evangélicas, quando diversos “pastores”, forçaram, através de discursos inflamados, suas ovelhas a escolherem um certo candidato à presidência. Usando o nome de Deus e também do diabo, esses homens, criaram um clima de mudança tão contundente, que muitas ovelhas não aguentaram, e foram procurar outros pastos. E isso foi nacionalmente.

Agora,o País vai realizar nova a eleição, e essa é caseira, dentro da cidade, e eles, os pastores, já começaram a ensaiar seus discursos para 2020. Na verdade, eles são pseudos-pastores, que tem somente um intuito: seus próprios interesses. Os políticos, conhecedores do potencial de votos desses senhores, já estão cooptando-os, e formando um verdadeiro exército.

Sabemos que em Petrolina existe uma grande quantidade de bons pastores, mas no meio destes, existem também os que só pensam neles, que visam somente ganhos em todas as formas. Vai ser osso ouvir certos sermões. O blog alingua, conversou com alguns pastores, e alguns deles, se esquivaram da conversa, outros porém, se abriram e falaram da realidade.

“Não quero falar quem é para não criar polêmica. Mas são várias as denominações que fazem isso em Petrolina. O “mercado negro de votos” e negociações financeiras entre os evangélicos ocorre principalmente nas igrejas “sem muita representatividade. Algumas lideranças recebem dinheiro para que determinados candidatos se apresentem nas igrejas. Aí ele vai lá, fala e vai embora. Os votos (dos fiéis) são vendidos descaradamente por falsos pastores, que cobram fortunas dos políticos”, disse um pastor atuante em Petrolina, que prefere não se identificar.

Em sua avaliação, a venda de apoio político pelos religiosos é também reflexo do gigantismo de algumas denominações. Existem grandes igrejas, por exemplo, que são divididas  em dois ou mais ministérios e, muitas vezes, é difícil de controlar.  Em um grupo tão amplo, é natural haver lobo vestido com pele de ovelha.”

Segundo ele, a prática eleitoral mais comum dentro das igrejas  é o voto de cabresto, quando lideranças evangélicas apoiam candidatos com o objetivo de elegê-los, induzindo os fiéis, a obedecê-los sem fazer questionamentos.

“O apoio político de um pastor evangélico pode ser comprado por muito dinheiro, ou promessas de futuros cargos na prefeitura, ou gabinetes de vereadores”,finaliza o pastor.

Muitas ovelhas ficaram dispersas em 2018. E tudo isso, por que a política entrou com muita força nas congregações evangélicas, quando diversos ”pastores”, forçaram, através de discursos inflamados, suas ovelhas a escolherem um certo candidato à presidência. Usando o nome de Deus e também do diabo, esses homens, criaram um clima de mudança tão contundente, que muitas ovelhas não aguentaram, e foram procurar outros pastos. Será que vai acontecer o mesmo em 2020?

Bem vindo seja 2020, a eleição vai afetar todas as classes.Pastores em Petrolina já estão vendendo suas igrejas aos políticos, fazendo acordos sem que a congregação saiba do que se trata.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar