Notícias

Síndrome de Down :menininho necessita de doações de sangue

ser solidário é uma virtude sobrenatural

Mesmo pequeno Luis Felippe Mota Teixeira já demonstra, desde cedo, que  veio ao mundo para ser um vencedor. O pequeno notável tem a Síndrome de Down, e agora precisa urgentemente de doações de sangue. Então, essa matéria é na verdade um convite  para quem puder e quiser  fazer uma  boa ação, basta procurar o Hemope (em Petrolina) ou Hemoba (em Juazeiro) e dizer que é para Luis Fellipe.

É necessário observar os seguintes critérios para doação de sangue: estar alimentado e em condições plenas de saúde; ter entre 16 e 69 anos; apresentar um documento original que contenha foto, filiação e assinatura; é necessário ter mais de 50 kg e, para quem já é doador, respeitar o intervalo de doação, que para mulheres é de 90 dias e, para os homens, 60 dias.

Nota da família

Lipe é uma criança que emana alegria, esperança e está em todo tempo exalando amor. É um amor contagiante. Qualquer pessoa que se aproxime dele se depara com um sorriso natural, um soltar de beijos com os lábios e as mãos e uma energia vibrante que envolve todo o ambiente no seu entorno. Lipe realmente é iluminado.

Há um ano e dez meses quando Lipe veio ao mundo, todos nós que convivemos com ele diariamente na igreja (Primeira Igreja Batista de Petrolina-PE), fomos atraídos por essa energia que vem desabrochando na medida em que ele vai crescendo, brincando, rindo e falando.

Durante os horários dos cultos (manhã e noite), praticamente, Lipe não fica nos braços dos pais. Está sempre “pulando” de braço em braço. É quase uma “briga” entre os irmãos que estão no templo para poder ficar com ele.

Costumamos dizer que as pessoas que tem filhos especiais são pinçadas por Deus para exercerem uma função social extremamente relevante no contexto societário. São pais (neste caso, Fabio e Eliane) que precisam praticar ao vivo e em cores o exercício de serem pais também especiais. Afinal, eles servem de exemplos da humanização dos humanos (parece pleonasmo, mas é isso mesmo). Ser humano na essência da palavra não é lá uma tarefa fácil.

Há 7 meses, a família de Lipe está vivenciando um processo de dor, angustia, noites sem dormir, ausência de informação (de alguns exames) e um possível medo diante dos resultados. Entre idas e vindas aos hospitais, introdução de um acesso, exames delicados, doloridos, o desespero de Lipe ao se deparar com qualquer pessoa de jaleco branco (ele já sabia que seria furado ou qualquer coisa do tipo), hoje sabemos que ele tem leucemia.

Começa, então, uma nova etapa da batalha do iluminado. A retirada e colocação de outro acesso provisório (porque o que deve ficar no corpo por um ano, ainda não chegou do Recife), e a maratona contínua. Para intervenção cirúrgica, terça (09/07/19), percebeu-se que o nível de plaquetas dele estava em 6 mil quando o ideal é 50 mil. A cada 3 horas ele precisava tomar mais sangue. Na sexta (12/07), o Hemope (em Petrolina-PE) e o Hemoba (em Juazeiro-BA) informaram que o estoque de bolsas de sangue estava zerado. Ufa!!

Os médicos pediram aos pais para fazer uma campanha de doação, não apenas para esse momento, mas para o período em que ele vai fazer a quimioterapia. Ele vai precisar muito, porque todas as taxas vão ficar extremamente baixas. A 1ª quimioterapia (um tratamento mais ou menos de um ano e meio) já começa nesta semana.

No meio desse tsunami, Eliane, mãe de Lipe, ainda tem forças para dizer assim: ” Mesmo chorando, agradeço a Deus por tudo. Poderia ser uma situação em que eu não estivesse com meu bebê no braço. Apesar do grande sofrimento, quando meu filho não está com febre ou com dor, está sempre com um sorriso para mim”. Isso não tem preço nem explicação.

E aqui faço uma pausa para ressaltar que o jornalismo quase sempre, diariamente, todos os dias se depara com histórias como essa de Lipe.
Ainda que tenhamos que exercer a função de narrar os fatos, é impossível não mergulhar na sensibilidade e no afeto de ser mãe, pai, tio, tia, avó, avô, primo (a), sobrinho(a); amigo(a)….ser humano, humano.

Choramos….ponto!

Para doar sangue no Hemope ou Hemoba em prol dessa campanha de amor, você tem que dizer o nome completo de Lipe: Luis Fellipe Mota Teixeira, também conhecido como Lipe especial e iluminado.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Fechar